erncontro

erncontro

A Palavra Original
voltar
profeta de Deus para esta era.

William Marrion Branham nasceu no dia 06 de abril de 1909, numa cabana de pau-a-pique, em Berksville - Kentucky e viveu a maior parte de sua vida em Jeffersonville - Indiana, nos Estados Unidos da América.
Aos vinte e dois anos de idade casou-se com Hope Brumbach, com a qual teve dois filhos, Billy Paul e Sharon Rose Branham. Durante a enchente que ocorreu em 1937 no rio Ohio, ele perdeu sua jovem esposa e a filhinha. Depois de viver alguns anos como viúvo, ele se casou novamente, no dia 23 de outubro de 1941, com Meda Broy, sobre quem ele faz referência, pregando na abertura do Sexto Selo: "E mesmo gostando muito dela, eu não teria me casado com ela se Deus não tivesse dito para fazê-lo..." Meda Branham lhe deu três filhos: Rebeck, Sara e José Branham.
O ministério sobrenatural de William Branham cumpriu a profecia de Malaquias 4:5-6. E sua mensagem é a revelação que faz manifesto os segredos de Deus. Ele, sem sombra de dúvida, foi o profeta enviado de Deus para esta era e pregou a mensagem que Deus lhe ordenou para trazer os predestinados de volta à Palavra original.

                             fotos do irmão branham

A PALAVRA VEM AO PROFETA

"Certamente o Senhor Jeová não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo a seus servos, os profetas" - Amós 3:7

Cada vez que Deus tem falado Sua Palavra, o fez através de um profeta. Sempre foi assim. Esta é uma verdade comprovada por toda Escritura.

Enoque foi um profeta do tempo antediluviano. Deus lhe falou Sua Palavra, e ele falou de eventos que ainda estão por acontecer. Enoque falou da Segunda Vinda do Senhor quando ainda faltavam vários séculos para a primeira se realizar. Logo, três gerações depois de Enoque, Deus levantou Noé, a ele falou da situação espiritual do mundo, mandou que fabricasse uma arca e lhe deu a mensagem sobre o iminente juízo do dilúvio. Quando chegou o tempo de Deus libertar a Israel do jugo egípcio, Ele levantou a Moisés e lhe falou Seu plano, e pôs em Moisés a Palavra para aquela época. Assim Moisés chegou a ser a boca de Deus para o povo. Ele foi o instrumento pelo qual Deus falou Seus mistérios e Sua vontade. Depois que o povo de Israel se estabeleceu na terra que o Senhor havia prometido, Deus enviou profetas para corrigir o povo. Entre eles esteve o grande profeta Samuel, sendo o último dos juízes, e quem ungiu o primeiro rei de Israel.

E assim muitos outros como Elias, Isaias, Jeremias, Amós, Daniel. Estes homens como profetas tiveram a Palavra de Deus para suas respectivas épocas. Eles falaram em nome do Senhor, a mensagem para seu dia. Esta é a maneira que Deus estabeleceu segundo as Escrituras para falar ao seu povo.

E isto é o que tem acontecido sempre. Cada profeta de Deus trouxe a Palavra revelada para o momento em que havia de ser manifesta. Cada um deles trouxe a porção para sua época, até que apareceu João Batista, o último dos profetas do Antigo Testamento, quem introduziu a Cristo, a plenitude da Palavra. Os profetas anteriores tiveram porções da Palavra, mas Cristo foi a plenitude da Palavra. Cristo foi o Profeta por excelência com toda a revelação de Deus. 

Foi João quem introduziu o Messias a Israel. No entanto os líderes religiosos não deram crédito, antes o deixaram e fizeram dele tudo o que quiseram. Porém estava anunciado nas Escrituras que João viria primeiro preparando o caminho do Senhor, mas o mundo religioso daqueles dias mesmo tendo as Escrituras, não o recebeu. Ainda que os profetas não disseram que se chamaria João, porém a vindicação de Deus em sua vida e o ministério provava que aquele era o anjo que havia de vir antes do Messias. Aqueles líderes religiosos, junto com o povo, estavam cegos para com a Palavra e para com a obra que Deus estava fazendo em volta deles mesmos. Eles esperavam o profeta e o Messias, porém quando apareceram, os rejeitaram. Por que recusaram aceitar? Era porque aqueles religiosos estavam fora da Palavra e estavam apoiados em suas próprias interpretações. O ensinamento desse profeta não era de acôrdo com as crenças religiosas, porque um profeta não vem congratular-se com as organizações religiosas, e sim para trazer a Palavra de Deus. 

João Batista não saiu dos fariseus, nem dos saduceus, e nem de nenhuma organização religiosa de seu dia, porque Deus nunca levantou um profeta de uma organização religiosa. Ele sempre chamou homens separados das organizações humanas; porque um homem ligado a uma organização é impossível que seja um profeta de Deus, porque seu contato com a denominação o faria negar a verdade da Palavra, pois teria que concordar com os ensinamentos de sua denominação, mesmo que a Palavra de Deus ensine o contrário. Deus sempre chamou homens separados completamente destes sistemas humanos. João Batista foi tomado do deserto; Amós da frente do gado; Eliseu do campo; Moisés da frente das ovelhas, e assim por diante. Deus chama o homem de onde Ele quer e envia com Sua Palavra, assim como fez com Elias, que ninguém conhece sua geração, nem mesmo quem foram seus pais; somente sabemos que era um tisbita e nada mais. 

Deus nunca envia profetas quando tudo está bem, e sim quando entre o povo as coisas estão fora e contrárias à Palavra de Deus. Então o profeta vem com a Palavra cortante e penetrante para descobrir tudo que seja contrário à verdade de Deus; porém os religiosos não podem aceitar tal exortação, porque esta atinge fortemente seus costumes e crenças nos quais estão estabelecidos. 

E assim que aparece o mensageiro, tem que ser recusado porque aqueles estão apoiados em suas crenças antigas.